Polícia Militar Ambiental emite orientações sobre incêndios florestais

Além dos danos e riscos diversos, provocar queimadas irregulares enseja em responsabilizações legais, como multa administrativa e processo criminal

Nos últimos dias, infelizmente, inúmeros casos de queimadas e incêndios têm sido registrados em lotes urbanos, áreas de campo e de vegetação na região, o que tem causado prejuízos e riscos aos cidadãos e ao meio ambiente.

Nesta época do ano, por causa do tempo seco aliado à falta de chuvas, a vegetação encontra-se muito seca, o que contribui para o aumento do número de queimadas e incêndios florestais, resultando geralmente na perda do controle dos focos, o que costuma se dar de forma intencional ou por acidente.

Além dos danos ambientais em face a flora e a fauna, bem como a geração de gases e fumaça prejudicais a saúde pública, as queimadas geram perigo em rodovias, uma vez que a fumaça diminui a visibilidade dos motoristas podendo ocasionar acidentes de trânsito.

A limpeza de áreas por meio do uso de fogo não é a medida mais recomendada, embora ainda aceita na legislação ambiental. Entretanto, em áreas urbanas as queimadas são proibidas, enquanto em área rurais somente as chamadas “queimadas controladas” podem ser realizadas, mas desde que se obtenha a devida autorização junto ao Órgão Ambiental, e que sejam atendidas as orientações técnicas expedidas por este.

Além dos danos e riscos diversos, provocar queimadas irregulares enseja em responsabilizações legais, como multa administrativa e processo criminal.

O Sub Tenente da  PM Nereu Lins, do 2° Pelotão da 1ª Companhia do 2° Batalhão de Polícia Militar Ambiental em Joaçaba fala sobre essas ocorrências e a proibição de queimadas sem as devidas autorizações.

 

 

Fonte: Divulgação Polícia Militar Ambiental
Foto: Divulgação Polícia Militar Ambiental