País tem 201 óbitos por covid-19 e 5.717 casos confirmados

Santa Catarina tem 2 mortes e 235 casos

O número de mortes em razão do novo coronavírus chegou a 201, nesta terça-feira (31), conforme nova atualização divulgada hoje pelo Ministério da Saúde. O resultado marca um aumento de 26% em relação a ontem (30), quando foram registrados 159 óbitos.

As mortes ocorreram em São Paulo (136), Rio de Janeiro (23), Ceará (sete), Pernambuco (seis), Piauí (quatro), Rio Grande do Sul (quatro), Paraná (três), Amazonas (três), Distrito Federal (três), Minas Gerais (duas), Bahia (duas), Santa Catarina (duas), Alagoas (uma), Maranhão (uma), Goiás (uma), Rondônia (uma) e Rio Grande do Norte (uma).

Já os casos confirmados saíram de 4.579 para 5.717. O resultado de novas 1.138 pessoas infectadas em um dia foi mais que o dobro do maior registrado até agora, de 502 novos casos no dia 27 de março.

 

 

 

Kits de teste rápido

 

Nesta terça-feira (31) desembarcou no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (SP), o primeiro lote de 500 mil de testes de detecção rápida para a covid-19. O lote faz parte de uma compra de compra de 5 milhões de kits efetuada pela Vale. O teste, produzido pela empresa chinesa Wondfo, tem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ele detecta anticorpos e permite que se tenha um resultado em apenas 15 minutos.

 

 

Santa Catarina tem 2 mortes e 235 casos

 

Subiu para 235 o número de casos positivados de coronavírus em Santa Catarina, atualizou o governo do Estado na tarde desta terça-feira (31). Desses, 22 estão internados em Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Também são duas mortes confirmadas pela doença em 20 dias, desde que o primeiro diagnóstico alertou sobre a presença do Covid-19 em território catarinense. O primeiro óbito foi de um homem de 86 anos, de Porto Belo e outro de 68 anos, de Joinville.

Em relação aos suspeitos da doença o número não é mais divulgado, segundo o Estado, porque a conta deixou de ser feita desde a transmissão comunitária foi identificada em todas as regiões de SC. São 118 homens infectados pela doença e 117 mulheres, divulgou o governador Carlos Moisés da Silva (PSL):

– É um aumento de 7%, uma curva boa, não é ruim. Tivemos dois óbitos, 0,8% do total de casos detectados.

Questionado sobre casos de pacientes curados, o secretário da Saúde, Helton Zeferino disse que existe um “registro de literatura” sobre esses pacientes:

– Temos ideia que o paciente que ingressa em UTI vai ficar entre 14 e 20 dias. É a média. Temos percebido no noticiário com pacientes que demonstraram cura, que a reação no organismo é diferente, com base de febre e calafrios, associado à dor de garganta, perda de paladar e olfato. E, com o passar dos dias, apresentam melhora. Acreditamos que Santa Catarina siga o mesmo quadro e a a partir de determinado nível de patologia, de casos efetivados, teremos extrato aprimorado deste perfil.

 

 

Sem kits para testes em SC

 

O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-SC) zerou o estoque de kits para testagem do novo coronavírus. Segundo Zeferino, nesta terça-feira (31) o laboratório não tinha um único teste. No entanto, há previsão para que o material seja entregue nesta quarta-feira (1º), pelo Ministério da Saúde.

– Dependemos do Ministério da Saúde pela contratação dos laboratórios para todo o país. Identificamos novo laboratório que tem capacidade de produzir e estaremos adquirindo quatro mil testes para não ter descontinuidade na análise das amostras no Lacen – disse.

 

 

 

Retorno das atividades

 

Sobre a retomada das atividades, Moisés disse que montou um grupo de estudos, nesta terça-feira a fim de achar respostas para três perguntas: o que volta a funcionar, quando volta e como.

– Os casos vão aumentar de qualquer forma, é algo certo. Nossa população vai ter contato. O que tentamos reduzir é a velocidade que os casos acontecem. Mas não conseguimos por tanto tempo manter população isolada e imune. Por outro lado, temos de pensar que as pessoas precisam retomar atividade de forma segura. Esta medida é estudada – disse.

Esse mesmo grupo elaborou o plano de retomada das agências bancárias e lotéricas. A partir desta terça-feira, representantes da Federação Catarinense de Municípios (Fecam) de entidades empresariais foram inseridos ao debate sobre os próximos passos da abertura econômica em meio à pandemia da Covid-19. Apesar da retomada do debate, Moisés reforçou que a nova quarentena inicia nesta quarta-feira (1º), com mais sete dias para a população “ficar em casa e se resguardar”:

– Quanto mais tempo demorar para retomar atividades, mais achata a curva. O contato é eminente e necessário, para criar imunidade e para que a sociedade reaja. É o processo natural que acontece com gripes. O que temos de fazer é preparar a saúde pública e privada.

Fonte: Agência Brasil | NSC
Foto: Divulgação