IBGE inicia testes para Censo 2022

Testes serão iniciados na Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro; Tamanho da verba para a pesquisa ainda é incerto

Após dois adiamentos seguidos, o IBGE dá início aos testes para o Censo Demográfico de 2022. O tamanho da verba para a pesquisa, contudo, ainda é motivo de impasse.

O primeiro teste para o levantamento começará na segunda-feira (6), na Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro. Equipes do IBGE devem visitar a ilha até o dia 24 para entrevistar os moradores dos quase 1.300 domicílios. O IBGE afirma que escolheu a Ilha de Paquetá para fazer o primeiro teste do Censo porque mais de 85% da população local já recebeu as duas doses da vacina contra o coronavírus.

“Os recenseadores do IBGE farão as entrevistas domiciliares seguindo todos protocolos de saúde, incluindo uso de máscara e protetor facial. O teste vai avaliar os aplicativos e os sistemas desenvolvidos pelo IBGE para o Censo 2022, além das três modalidades de coleta de dados: presencial, pela internet e por telefone”, apontou o órgão.

A questão é que, às vésperas da etapa preparatória, ainda há divergências sobre o total de recursos que devem ser destinados para o levantamento. O governo federal prevê reservar R$ 2 bilhões do Orçamento de 2022 para a pesquisa. Mas, segundo o IBGE, o valor fica abaixo do necessário.

O instituto alegou no último dia 31 que precisa de uma quantia maior, próxima de R$ 2,3 bilhões. Esse montante foi definido após estimativa feita no primeiro semestre de 2021. Em maio, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que “o Poder Executivo, em articulação direta com o Congresso Nacional, assegure os créditos orçamentários suficientes para a realização do Censo Demográfico”.

O levantamento, realizado de dez em dez anos, é o trabalho mais detalhado sobre as características demográficas e socioeconômicas do país. Inicialmente, a nova edição estava prevista para 2020, mas foi adiada para 2021 em razão da pandemia. Neste ano, o que acabou inviabilizando o Censo foi o corte de recursos destinados à pesquisa. Coube então ao STF definir a realização em 2022.

A incerteza relacionada ao Censo espalhou preocupação entre especialistas durante a pandemia. Sem o estudo, o temor é que o Brasil amargue um apagão estatístico. Na prática, os dados apurados pelo IBGE servem como base para políticas públicas e decisões de investimento de empresas. Por exemplo: antes de investir em uma região, um empresário tende a analisar os traços do mercado consumidor em questão.

No último dia 27, o instituto divulgou nova estimativa para o crescimento da população brasileira. Segundo essa projeção, o país chegou a 213,3 milhões de habitantes em 2021. Na divulgação, o IBGE ponderou que o resultado não incorpora os efeitos da pandemia. De acordo com o instituto, “dados preliminares do Registro Civil e do Ministério da Saúde apontam para um excesso de mortes, principalmente entre idosos, e uma diminuição dos nascimentos”.

É possível que também tenham ocorrido alterações nos fluxos migratórios, disse o IBGE no dia 27. As implicações disso no tamanho da população, contudo, só serão verificadas a partir do próximo Censo.