WhatsApp: Golpes com contas clonadas crescem em Santa Catarina

Casos de estelionatários que pedem transferência por mensagens no aplicativo exigem atenção e desconfiança dos usuários

Um amigo ou conhecido manda mensagem pelo WhatsApp, diz que está com problema no aplicativo do banco e pede ajuda para fazer uma transferência ou um pagamento. Mas o pedido pode se tratar, na verdade, do chamado golpe do WhatsApp clonado. O golpista tem acesso à conta de um usuário e manda mensagens para diversos amigos com os pedidos de transferência.

 

Em outra variação do golpe, que é o que permite que os golpistas tenham acesso às contas, usuários mandam mensagem comunicando que algum grupo do qual a pessoa faça parte no WhatsApp será extinto e que um novo grupo será criado. Para isso, no entanto, seria enviada uma senha por SMS. Mas é justamente essa senha que permite que o golpista possa acessar e clonar a conta do WhatsApp caso a pessoa responda a mensagem com a senha que recebeu. A partir daí, ele poderá enviar mensagens e disseminar novas tentativas de golpe para os contatos do usuário.

 

O delegado Alfeu Orben, diretor de Inteligência da Polícia Civil de Santa Catarina, explica que embora não haja dados, o número de casos de golpes pelo Whatsapp é crescente no Estado. Ele confirma que os autores desses golpes se passam por outra pessoa e pedem depósito de valores para os contatos por meio de mensagens no aplicativo.

A recomendação do delegado é para que as pessoas nunca façam depósito de imediato. Outra dica é ligar para a pessoa que mandou mensagem pedindo a transferência – não pelo Whatsapp, mas telefonando diretamente para o número da pessoa.

– Se certifique de que é ela mesmo que está fazendo esse pedido. Se você apenas mandar uma mensagem, ela vai responder como se fosse a titular da conta, e você será induzido ao erro – afirma o delegado.

 

Além de não repassar os códigos de ativação do WhatsApp a terceiros, outra dica pode ser ativar a verificação em duas etapas, que cria uma camada a mais de segurança na hora de a acessar remotamente as conversas do aplicativo. Evitar conectar o aparelho em redes desconhecidas também é uma recomendação que pode ajudar na prevenção dos golpes.

 

 

Verificação em duas etapas

 

Crie uma senha numérica que tem que ser inserida toda vez que o WhatsApp ou Telegram for usado em um aparelho novo – além do código que ele já envia por SMS.

O procedimento ajuda a proteger em casos de chip clonado (com a clonagem, o criminoso consegue receber o código que o WhatsApp manda por SMS, por exemplo) e em outro ataques que visam invadir ou roubar a conta da vítima.

 

Fonte: NSC
Foto: Imagem ilustrativa | Google
Comentários
Carregando...